A Companhia não possui um acionista controlador ou grupo de controle titular de mais que 50% do capital votante, o que pode deixá-la suscetível a alianças entre acionistas, conflitos entre acionistas e outros eventos decorrentes da ausência de um acionista controlador ou grupo de controle titular de mais que 50% do capital votante

A Companhia não possui um acionista ou grupo de controle titular da maioria absoluta do capital votante. Na data deste Formulário de Referência, os acionistas fundadores detêm, conjuntamente, uma participação minoritária de 17,19% do capital social. Desta forma, é possível que se formem alianças ou acordos entre acionistas, o que pode ter o mesmo efeito de ter um grupo de controle. Caso surja um grupo de controle e este passe a deter o poder decisório da Companhia, as políticas corporativas e estratégias podem sofrer mudanças repentinas e inesperadas, incluindo a substituição dos seus administradores. Além disso, a Companhia pode ficar mais vulnerável a tentativas hostis de aquisição de controle e a conflitos daí decorrentes.

A ausência de um acionista ou grupo controlador titular de mais de 50% do capital votante poderá dificultar certos processos de tomada de decisão, pois o quórum mínimo exigido por lei para determinadas deliberações poderá não ser atingido. Nesse caso, a Companhia e os acionistas minoritários poderão não gozar da mesma proteção conferida pela Lei das Sociedades por Ações contra abusos praticados por outros acionistas e, em consequência, poderão ter dificuldade em obter a reparação dos danos sofridos.

Qualquer mudança repentina ou inesperada no quadro de administradores, na política empresarial ou no direcionamento estratégico, tentativa de aquisição de controle ou qualquer disputa entre acionistas concernentes aos seus respectivos direitos podem afetar adversamente a Companhia.

Após a conclusão da Oferta, o mesmo grupo de acionistas que exercer controle minoritário sobre a Companhia continuará a exercer tal controle e seus interesses poderão entrar em conflito com os interesses dos demais acionistas

O grupo de acionistas minoritário que efetivamente possuem o controle da Companhia, possuem o poder de, entre outros assuntos, eleger a maioria dos membros do Conselho de Administração e determinar o resultado de qualquer decisão que exija a aprovação dos acionistas, desde que não haja conflito de interesses em relação aos acionistas, seus direitos de voto, inclusive com relação a transações com partes relacionadas, reestruturação societária, venda de ativos, parcerias e pagamentos de quaisquer dividendos futuros, sujeitos ao pagamento de dividendo mínimo obrigatório pela Lei das Sociedade por Ações. O grupo de acionistas minoritários que efetivamente possui o controle da Companhia pode ter conflito de interesses entre eles e/ou com os demais acionistas da Companhia.

O Estatuto Social da Companhia contém disposições destinadas a proteger a dispersão acionária, as quais poderão impedir ou atrasar operações que favoreçam os seus acionistas

O Artigo 42 do Estatuto Social da Companhia contém certas disposições que tem o efeito de dificultar as tentativas de aquisição de parcelas substanciais das ações em circulação por um investidor isolado ou por um pequeno grupo de investidores. Qualquer acionista ou pessoa, que adquira ou se torne titular de ações de emissão da Companhia, em quantidade igual ou superior a 25% do total de ações de emissão da Companhia deverá realizar oferta pública de aquisição da totalidade das ações emitidas pela Companhia, observando o disposto na regulamentação aplicável. Tal obrigação também se aplica a qualquer pessoa, que adquira ou se torne titular de outros direitos, inclusive usufruto ou fideicomisso, sobre as ações de emissão da Companhia em quantidade igual ou superior a 30% do total de ações de emissão da Companhia. Disposições desta natureza poderão causar dificuldades ou retardar as tentativas de aquisição, bem como, podem desestimular, atrasar ou impedir tentativas de aquisição que os acionistas controladores julguem desaconselháveis, incluindo ofertas públicas de aquisição das ações, nas quais os acionistas receberão um prêmio.